Bem-vindo à BOL. O nosso site usa cookies e outras tecnologias para personalizar a sua experiência e compreender como você e os outros visitantes usam o nosso site.
Para ver uma lista completa das empresas que usam estes cookies e outras tecnologias e nos informar se podem ou não ser utilizadas no seu dispositivo, aceda à nossa página de política de cookies.

Concordo
Distrito Sala
Detalhe Evento
chão maior apresenta drawing circles

chão maior apresenta drawing circles

Música & Festivais | Música

GNRATION

BLACKBOX
Classificação Etária
Maiores de 6 anos
2021
abr
30
Realizado

Abertura Portas

20:45

Promotor

Teatro Circo de Braga, EM, SA

Sinopse

Há concertos que sabemos de antemão que vão ser especiais. Sabemos também que esse cunho de especial é, por norma, atribuído por diferentes razões, embora todas muito específicas. Interpretações raras de discos, aparições únicas de grupos de quem gostamos ou colaborações em palco de músicos singulares. É neste último ponto que encaixamos rapidamente Chão Maior, identificando de imediato o carácter de unicidade dos músicos que compõem a formação, que em boa verdade do caso em concreto é uma super formação, composta por currículos sólidos ou entusiasmantes na música de improvisação e experimentação portuguesa, com variantes no rock, jazz e folk. Quem são eles? O trompetista Yaw Tembe, compositor do grupo, que conhecemos de projetos como Sirius, Gume e Zarabatana; Norberto Lobo, guitarrista com mais de uma década de carreira e que dispensa apresentações (certo?); Ricardo Martins, que já deu a sua bateria a mais de vinte bandas, do duo Lobster aos históricos Pop DellArte; Leonor Arnaut, cantora jazz e exploradora da voz como instrumento na música improvisada e experimental, fazendo-o ao lado de Mariana Dionísio e também no supergrupo Montanhas Azuis, de Bruno Pernadas, Norberto Lobo e Marco Franco; o trompetista João Almeida, jovem prodígio do jazz português e integrante da Orquestra de Jazz do Hot Clube de Portugal; e Yuri Antunes, trombonista que se dedica maioritariamente à música de raiz africana, sem descurar o universo do jazz. O que fazem? Dizem os próprios que composições cíclicas que se relacionam com uma espacialidade onde melodia, harmonia e ritmo se realizam em forma de deriva, gravitando em torno de um tempo elástico, para três sopros, guitarra, voz e bateria. São essas composições cíclicas que estão registadas em Drawing Circles, disco de estreia lançado no final de janeiro e que terá em Braga uma das suas primeiras apresentações ao vivo.

-
Partilhar

Serviços Adicionais